Notícias

Audiência e Comitê marcam defesa dos Bancos públicos na Assembleia Legislativa do Piauí


João Henrique Vieira

Diversas lideranças sindicais, sociais, trabalhistas e parlamentares participaram, nesta quarta-feira (28/11), do lançamento do Comitê em Defesa dos Bancos Públicos em Audiência Pública, no Plenarinho da Assembleia Legislativa do Estado do Piauí. De autoria da deputada Flora (PT) e presidida pelo deputado João de Deus (PT). Representantes de trabalhadores e parlamentares debateram a importância do Banco do Brasil, Caixa e Banco do Nordeste para o desenvolvimento do estado e do país. Ao final elencaram encaminhamentos que nortearão os próximos passos do Comitê no estado ampliando a defesa dessas instituições públicas.

Flora Izabel ressaltou a importância da audiência e da luta de toda a sociedade em prol do que é público. “Com grande preocupação vemos a privatização dos bancos públicos, porque sabemos qual a função desses bancos para a habitação, saneamento, educação, FGTS, Bolsa Família. São ações dos bancos públicos para a população e, principalmente, para a população mais pobre desse país. Com a privatização, todo esse patrimônio vai para o setor privado que só visa lucro. O resultado da Audiência é principalmente a formação de um Comitê abrangente e forte que faça contato com prefeituras e parlamentares federais, para aglutinar vários setores na defesa dos bancos públicos”, afirmou Flora.

O secretário geral da Contraf-CUT, Carlos Sousa, alertou o contexto de ataque. “O processo de privatização já está acontecendo e é gradual. Diminui o número de funcionários, enfraquece as instituições para fragilizar nossa resistência. Quando se propõe a abertura do capital da Caixa é privatização. O Banco do Brasil num processo de reestruturação fechou mais de 700 agências, e agora as agências que são explodidas eles não querem reabrir. Acreditamos na resistência do povo brasileiro, precisamos avançar mais e conversar com todos os setores da sociedade, essa luta não é só de sindicalista, é de todos, porque quem perde é toda a sociedade”.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Piauí, Airmatea Passos, destacou o trabalho da deputada Flora junto à categoria bancária, citando o feriado do Dia do Bancário e Lei de segurança bancária e também afirmou da necessidade de envolver toda da sociedade. “Se comparar uma cidade que tem banco, com outra que não tem banco, é visível a diferença. Essa luta é dos parlamentares, dos trabalhadores e de toda a sociedade. Essa audiência amplia nossa jornada em defesa dos bancos públicos. Perder banco público é perder soberania. Começamos uma jornada que vai percorrer todo os estadoS do Piauí e todo o Brasil”.

O superintendente da Caixa no Piauí, Elizomar Guimarães, ressaltou que os empregados da Caixa são contrários a qualquer mudança no Estatuto do banco que possa permitir a abertura de capital. O superintende apresentou números que refletem a importância da Caixa no Piauí. “Nos últimos cinco anos o Piauí recebeu do governo federal, pelo Fundo de Participação do Estado, R$ 14, 9 bilhões de reais. Já a Caixa, através do crédito para empresa, pessoa física, crédito habitacional, Minha Casa Minha Vida, Bolsa Família, recursos financiados a estado e municípios; um total de R$ 45 bilhões. Três vezes mais no mesmo período. Defendemos a Caixa porque temos consciência que somos uteis para a sociedade brasileira”.

A diretora sindical e membro da Fenae, Francisca de Assis reafirmou a luta em defesa da Caixa e dos bancos públicos. “A Fenae está empenhada em oferecer as condições para o debate com transparência, clareza e firmeza. Tivemos no nordeste um impulso grande pelo Bolsa Família, pela educação com o Fies e Pro-Uni, no crédito para os pobres. A Caixa no Piauí já teve mais de 1000 empregados, hoje tem 700. Temos o papel importante de lutar por uma sociedade menos desigual. Esse é o papel de um banco público, por isso lutamos para manter no Piauí a necessária presença do sistema financeiro público que possa melhorar a vida do povo”, afirmou.

O deputado João de Deus (PT) “Essa não pode ser uma luta só dos bancários, temos que mobilizar todas as lideranças e parlamentares comprometidos com o interesse público. É importante fazer esse debate com a população, por isso é tão importante esse Comitê, juntamente com todos os seguimentos de lutas sociais. Temos que ir para o meio do povo denunciar o que significa o prejuízo disso para o povo. Corremos o risco de ser governando pelo mercado, mais do que já somos”.

Paulo César, da AGCEF Piauí, lembra que os bancos públicos estão presentes onde os privados não têm interesse, porque não é rentável. “É essa percepção que a sociedade tem que ter em relação em relação ao banco público”. Disse. Já o diretor da CUT Piauí, Josivaldo Martins defendeu também defendeu que é uma luta de toda a sociedade. “Estamos nessa luta porque nós entendemos que não é uma questão exclusiva da categoria bancária, mas uma questão de justiça social”. O deputado Aluísio Martins denunciou a interesse do mercado com o estado mínimo. “Sabemos que os bancos públicos representam também a nossa soberania, temos que refletir sobre o tipo de estado que nós queremos, o mercado quer um estado mínimo, é isso que temos que dialogar com as pessoas”.

Encaminhamentos:

- Formação do Comitê em Defesa dos Bancos Públicos com a presença incialmente de cinco deputados (João de Deus, Flora Izabel, Cicero Magalhães, Aluísio Martins, Dr. Pessoa); CUT e Sindicatos;

- Contactar com os deputados federais para a defesa dos bancos públicos;

- Mobilização da sociedade e um calendário de ação para que deputados estejam junto a essas mobilizações;

- Proposição de uma Audiência para discutir o desenvolvimento regional;

- apresentação de relatório de impactos econômicos e quais serviços deixarão de ser prestados e que medidas serão tomadas para não prejudicar os clientes; e o numero de correntistas deficientes ou analfabetos que serão impactados pelas mudanças propostas pelos bancos;

- Chamamento para a APPM e prefeituras se envolverem no Comitê;

- Auditoria cidadã da dívida pública brasileira;

- Realização de caravana aos municípios com audiências públicas nas câmaras municipais.